A Galeria Municipal do Porto apresenta um programa regular de exposições e eventos dedicados à arte contemporânea, desenvolvendo projetos também nos domínios do design e da arquitetura. Com a missão de apresentar exposições que promovam uma reflexão sobre as tendências artísticas e discursivas da prática contemporânea, a Galeria Municipal do Porto promove debate, investigação e disseminação de ideias em torno das artes.
Desde que reiniciou a sua atividade em 2014, a Galeria Municipal do Porto tem colaborado com parceiros nacionais e internacionais na programação e comissariado de exposições, performances e debates, estimulando envolvimento a longo prazo através do seu projeto educativo e publicações.
A Galeria Municipal do Porto é um espaço com entrada livre e conta com a Fundação EDP como mecenas principal.
Equipa

Presidente
Rui Moreira

Direção Artística
Guilherme Blanc

Direção Executiva
Sílvia Fernandes

Coordenação de Produção
Patrícia Vaz

Apoio à Curadoria
Rita Roque

Coordenação Editorial

Lídia Queirós

Comunicação
Tiago Dias dos Santos
 
Serviço Educativo
Mariana Bacelar
Rita Roque

Equipa de Montagem
Isidro Caldeira
Joaquim Tavares
Paulo Coelho
Paulo Vieira

Técnicos de Audiovisual
Guilherme Dantas
Luís Neves

Apoio à produção

Joaquim Aguiar
Maria dos Anjos Cerdeira  

Direção Municipal da Cultura
  
Diretora de Departamento
Sofia Alves
 
Serviços administrativos
Eduarda Paiva
Nina Machado

  • mecenas:

  • organização:

  • Fundação Edp
  • Porto.
Expo’98 no Porto é um concurso que atribui duas bolsas para a realização de duas exposições na Galeria Municipal do Porto, entre 2019 e 2020.

Enquanto espaço municipal, a Galeria Municipal tem por missão apresentar exposições que promovam reflexões sobre as tendências artísticas e discursivas contemporâneas. Com Expo’98 no Porto pretende-se reforçar essa missão através de um projeto que estreita a relação entre a singularidade da sua identidade programática e a prática artística e curatorial da cidade.

Dirigido a curadores e artistas residentes no Porto durante todo o período de conceção e implementação dos projetos expositivos, Expo’98 no Porto conta com um orçamento total de 98.000 euros. As duas exposições resultantes do concurso serão apresentadas na Galeria Municipal: a primeira, com um orçamento de 34.000 euros, será inaugurada em dezembro de 2019, e a segunda, com um orçamento de 64.000 euros, será apresentada em 2020.

As candidaturas deverão ser enviadas para galeriamunicipal@cm-porto.pt a partir de 1 de março de 2019.

 

+ info

JÚRI

Daniela Agostinho

Daniela Agostinho é investigadora de pós-doutoramento no Departamento de Artes e Estudos Culturais da Universidade de Copenhaga. Foi curadora da coletiva Artists Film International (MAAT, 2017) e da individual de Aimée Zito Lema (Museu Gulbenkian, com Ana Cachola e Luísa Santos, 2018).

Miguel Ferrão
Licenciado em Pintura pela FBAUL, é mestre em Filosofia-Estética pela FCSH-UNL e doutorando em Estudos Artísticos - Arte e Mediações pela mesma instituição. Dirige com Eduardo Guerra, desde 2010, o projecto artístico Musa paradisiaca, finalista dos Prémios EDP Novos Artistas (2013) e Sonae Media Art (2015). Foi assistente curatorial na Galeria Zé dos Bois (2008-2010) e coordenador da programação “Aguêdê-Alê”, em São Tomé e Príncipe (2010-2013).

Nuno Faria
Formado em história de arte e arqueologia. É director artístico do CIAJG —Centro Internacional das Artes José de Guimarães, curador e professor na ESAD - Escola de Artes e Design das Caldas da Rainha.
Rua D. Manuel II
(Jardins do Palácio de Cristal)
4050-346 Porto
 
+351 226 081 063
galeriamunicipal@cm-porto.pt
fb.me/galeriamunicipaldoporto

Terça - Sábado
10h00-18h00

Domingo
14h00-18h00
 
Encerrado à segunda-feira e feriados
Entrada livre
Visitas Guiadas todos os sábados às 16:00
  • 'THE CHAIR REMAINS EMPTY / BUT THE PLACE IS SET' – Performance JEREMIAH DAY

    26 junho, quarta-feira, 19h00
    Performance de JEREMIAH DAY,
    seguida de conversa com MARIA TRABULO

    As performances pessoais e idiossincráticas de Jeremiah Day recorrem a meios como o diaporama ou a tradição do bardo e centram-se no corpo como material de trabalho, um princípio estabelecido pela dança pós-moderna. A performance resulta da investigação do artista sobre o trabalho de Hannah Arendt – particularmente a sua argumentação, largamente ignorada, em defesa da democracia de conselhos, posteriormente elaborada pelo escritor e ativista Fred Dewey – e os diapositivos reproduzem locais cruciais de Istambul e da Nova Inglaterra.
    A exposição 'Desertado. Algo que aconteceu pode acontecer novamente' integra a performance 'THE CHAIR REMAINS EMPTY / BUT THE PLACE IS SET' de JEREMIAH DAY
  • Aula aberta com ANA VIDIGAL + Lançamento do catálogo da exposição 'De Outros Espaços'

    6 julho, sábado, 17h00
     
    Programa Público 'De Outros Espaços' 
  • Colectivos Pláka

    THE TIME(S) OF CONTEMPORANEITY 2
    DECOLONIZING CULTURE
    COMISSARIADO: Câmara Municipal do Porto
    TUTORES: Claire Bishop, Nuno Crespo
    COM: Dora García, Emanuel Lopes (Coletivo Cadjigue), Filipa César, Françoise Vergès, Kader Attia, Marinho de Pina

    O seminário deste ano vai reunir artistas e intelectuais para debater a relação entre arte, etnias, instituições e o legado do colonialismo. A descolonização será abordada no sentido mais amplo do termo: como reconhecimento dos legados coloniais na atualidade, como um sistema de repressão existente e como uma prática que afirma diferentes formas de conhecimento reprimido. Os oradores convidados irão explorar metodologias descoloniais em museus e galerias, modos de interagir criticamente com o passado colonial e como os feminismos do Terceiro Mundo usaram o socialismo revolucionário. 
  • Conversa com DORA GARCÍA e MARIA TRABULO + Leitura 'UMA ASSEMBLEIA NO DESERTO'

    13 julho, sábado, 18h00
    Conversa DORA GARCÍA e MARIA TRABULO
    Em colaboração com
    'Times of Contemporaneity 2 – Decolonizing Culture'
    com curadoria de CLAIRE BISHOP e NUNO CRESPO
    (Colectivos Pláka)

    Dora García, artista espanhola que vive em Barcelona, é sobretudo conhecida pelos seus arquivos, vídeos e performances baseados nas investigações que conduz. García prepara atualmente um filme sobre a influência de Alexandra Kollontai (1872-1952), líder revolucionária russa, no Terceiro Mundo e entre as feministas negras e chicanas.

    ....

    Leitura
    'UMA ASSEMBLEIA NO DESERTO'
    Três personagens discutem qual o melhor sistema de governo a ser adotado no seu país, após a morte do rei.
    Inspirado numa passagem de Heródoto (Histórias, 440 A.C.)
     Atividade integrada na exposição 'Desertado. Algo que aconteceu pode acontecer novamente'.

loading