Galeria Municipal do PortoGaleria Municipal do Porto

ping!
Memória de Elefante
A Primeira Exposição Colonial Portuguesa decorreu em 1934 nos Jardins do Palácio de Cristal. O seu ex-libris era uma grande escultura de um elefante, exposta no telhado do Palácio de Cristal, na época intitulado Palácio das Colónias. Homenageando o elefante enquanto símbolo e animal real com uma grande capacidade para reter e transmitir conhecimento, Memória de Elefante revisita a cultura material, arquivos e reminiscências coloniais associados à cidade do Porto através de workshops, percursos e conversas, com artistas, ativistas e educadores com o objetivo de discutir as implicações e legado do colonialismo.

Escolas|Professores / data a anunciar

Corpografias Reimaginadas: dialogar com/contra o arquivo da 1ª Exposição Colonial Portuguesa - Workshop de fanzines com Marcela Pedersen e Rafael Campos

Corpografias podem ser cartografias com/do corpo nos/dos espaços. É um conceito criado para se estabelecerem conexões entre as escalas do corpo e da cidade, e que se podem manifestar em diversos formatos. 
 
Os Jardins do Palácio de Cristal revelam um espaço de memória que carrega marcas e reminiscências da história colonial portuguesa. Neste workshop, propomos analisar essa relação – espaço-memória - ao tensionar os nossos corpos com o arquivo da Primeira Exposição Colonial Portuguesa, com o objetivo de problematizar as presenças e ausências que permeiam tanto os Jardins do Palácio de Cristal, como o espaço público da cidade, estando em constante atualização de um pensamento colonial. 
 
Convidamos as participantes a compor Corpografias Reimaginadas através da elaboração de uma fanzine, incentivando uma reflexão sobre o passado e questionando gestos reparativos que imaginem possibilidades de futuros mais justos, plurais e horizontais.
Atividade dirigida a professores.

Local
Jardins do Palácio de Cristal

Marcela Pedersen (ela/dela), nascida em Rio Claro, interior de São Paulo (Brasil), vive atualmente no Porto. Educadora e pesquisadora em Educação Artística, integra o Instituto de Investigação em Arte, Design e Sociedade (i2ADS). Atualmente, faz o doutoramento em Educação Artística na FBAUP. Os seus interesses e práticas de pesquisa questionam as possibilidades de práticas de mediação e educação aliadas às lutas antirracistas, antidiscriminatórias, anticoloniais e críticas à branquitude. 
 
Rafael Campos (ele/dele) é mestrado em arquitetura, performer e pesquisador brasileiro que, na vida profissional, desloca-se entre os meios artísticos e académicos. Atualmente reside no Porto onde realiza o doutoramento em educação artística pela FBAUP, e doutoramento em arquitetura na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). É bolseiro da FCT em Portugal, pesquisador colaborador no Instituto de Investigação em Arte e Design (i2ADS) e integra o Grupo Quiasma de pesquisas interdisciplinares em Arquitetura, Corpo e Cidade. 

Ter-Sáb, 2 a 5, das 18h-20h e 6 Jul, 10h-17h

Uma Ideia leva a outra - Workshop de ideias, ações e movimento com Gustavo Ciríaco

"O ato de associar nas práticas artísticas. O que leva uma coisa à outra? Do que levamos de um dia, outros dirão, de uma vida? Como conjugar aquele sorriso que cruzamos na rua com a massa que tenho diante das mãos, ao alcance da imaginação, mergulhado nas matérias do mundo, da oficina, da mesa, do caderno? A poesia de uma fala, a fala de uma voz, a voz de uma época, a época de um assombro, o assombro de um olhar, o olhar de um pensamento, o pensamento da matéria, a matéria do invisível, o invisível do que foge, te encontra, te faz perdurar no tempo. 
 
Inspirado em artistas e pensadores que encontraram no ensaio a forma de suas potências, o campo da sua lavoura, pretendo compartilhar alguns pensamentos, algumas práticas relacionadas à paisagem, sua fruição e a sua imaginação, e à produção poética que me tem guiado nos meus trabalhos de cruzamento, imersão e folia melancólica."
 
Este workshop foi redesenhado a pensar nos Jardins do Palácio de Cristal, nas suas memórias e na sua envolvente urbana de baldios e da água do rio. 
Para além das quatro sessões de trabalho, será proposto um percurso aberto ao público para os jardins a partir das relações, referências e arquivos que foram convocados nesta coletividade. 
Local
Jardins do Palácio de Cristal
 
A participação no workshop é gratuita, mas implica inscrição prévia e a presença em todas as atividades do projeto.

Terça 2 Jul a sexta-feira 5 Jul, 18h-20h
Sábado 6 Jul, 10h-17h 
 
A seleção das pessoas participantes será feita por ordem de inscrição, através do e-mail galeriamunicipal@agoraporto.pt.

Gustavo Ciríaco nasceu no Rio de Janeiro a viver atualmente em Lisboa. É coreógrafo e artista transdisciplinar que transita entre a dança e as artes visuais, passando por projetos expositivos e intervenções onde a experiência é o motor da partilha com o público. 
Com um caráter site-specific, as suas obras fomentam o diálogo entre contexto e arquitetura, geografia e habitação, realidade e ficção, numa pesquisa contínua sobre os campos extensivos da arte de fazer danças. Suas obras foram vistas em festivais como Crossing the Line/N.Iorque; Casa Encendida/Madrid; Museu Serralves/Porto; Mercat de Flors/Barcelona; Al-Mammal Foundation/Jerusalém; TWS/Tóquio; DAC/Taipé; Haus der Kulturen der Welt/Berlim; Panorama/Rio; FADJR/Teerão; Nave/Santiago, San Art/Saigão.
Este workshop marca o início da comemoração de 30 anos de uma carreira de Gustavo Ciríaco, a festejar entre 2025-2026.

Imagem: Sara Pinheiro

Sáb, 6 Jul, 15h-17h

Uma Ideia leva a outra - Apresentação dos resultados e Percurso para os Jardins com Gustavo Ciríaco

"O ato de associar nas práticas artísticas. O que leva uma coisa à outra? Do que levamos de um dia, outros dirão, de uma vida? Como conjugar aquele sorriso que cruzamos na rua com a massa que tenho diante das mãos, ao alcance da imaginação, mergulhado nas matérias do mundo, da oficina, da mesa, do caderno? A poesia de uma fala, a fala de uma voz, a voz de uma época, a época de um assombro, o assombro de um olhar, o olhar de um pensamento, o pensamento da matéria, a matéria do invisível, o invisível do que foge, te encontra, te faz perdurar no tempo. 
 
Inspirado em artistas e pensadores que encontraram no ensaio a forma de suas potências, o campo da sua lavoura, pretendo compartilhar alguns pensamentos, algumas práticas relacionadas à paisagem, sua fruição e a sua imaginação, e à produção poética que me tem guiado nos meus trabalhos de cruzamento, imersão e folia melancólica."
 
Este workshop foi redesenhado a pensar nos Jardins do Palácio de Cristal, nas suas memórias e na sua envolvente urbana de baldios e da água do rio. 
Para além das três sessões de trabalho, será proposto um percurso para os jardins a partir das relações, referências e arquivos que foram convocados nesta coletividade. 
Gustavo Ciríaco nasceu no Rio de Janeiro a viver atualmente em Lisboa. É coreógrafo e artista transdisciplinar que transita entre a dança e as artes visuais, passando por projetos expositivos e intervenções onde a experiência é o motor da partilha com o público. 
Com um caráter site-specific, as suas obras fomentam o diálogo entre contexto e arquitetura, geografia e habitação, realidade e ficção, numa pesquisa contínua sobre os campos extensivos da arte de fazer danças. Suas obras foram vistas em festivais como Crossing the Line/N.Iorque; Casa Encendida/Madrid; Museu Serralves/Porto; Mercat de Flors/Barcelona; Al-Mammal Foundation/Jerusalém; TWS/Tóquio; DAC/Taipé; Haus der Kulturen der Welt/Berlim; Panorama/Rio; FADJR/Teerão; Nave/Santiago, San Art/Saigão.
Este workshop marca o início da comemoração de 30 anos de uma carreira de Gustavo Ciríaco, a festejar entre 2025-2026.

Imagem: Natália Viroga

Assine a nossa newsletter